11 de janeiro de 2017

1 Ano do Daniel - Parte 1

Há um ano atrás a essa hora (1 da manhã), eu e o V. voltávamos da maternidade embaixo de muita chuva e com os braços vazios. Mas sabíamos que dalí a poucas horas teríamos mais um presentinho nos nossos braços. 
Últimas horas grávida! Uhuuuuuu
Voltamos pra casa, mas em meio a tantas dores lavei os pratos sujos do almoço, dobrei as roupas recém lavadas, senti aquela vontade enorme de passar um pano na casa.
Alôooo Daniel, faz isso comigo não!
Não cedi a essa vontade! Não sou obrigada! hahahaha
Tomei banho e entre uma contração e outra, olho pra porta do banheiro e dou de cara com o V. me perguntando se eu estava bem.
Não, eu não estava.
Quase quatro da manhã, muita chuva lá fora (muita preguiça de sair de casa) resolvemos partir para a maternidade.
Nosso tesourinho finalmente resolveu escutar o conselho do Pedro Bial:
- Vem pra fora, Daniel! Vem conhecer esse mundo louco!


Continua...

5 de julho de 2016

Enquanto isso, lá em casa...

Eu voltei!!!
Pois é, voltei! 
Mas que desânimo é esse? No meu caso juntou com a falta de tempo mesmo.
O meu último post, o Dani estava com quase 3 meses.
Semana que vem ele completa os seus 6 meses e o tempo está correndo.
Juro para vocês que a minha vida está tão corrida, os dias parecem tão curtos e são tantas tarefas do dia a dia e é tanta responsabilidade que não sinto a mínima vontade de parar e postar.
Acho que é a privação de sono! hehehehe
Eu nunca pensei que fosse ser tão difícil, porque fácil não é.
E o Dani mudou tanto e aquele bebê sossegadinho não existe mais. E o que mais mudou foi o sono. O menino não dorme!
Antes ele dormia a soneca da manhã, da tarde e da noite e cada soneca durava umas 3 horas. Hoje, as sonecas mal duram 20 minutos. E a soneca de 20 minutos é à tarde, e olhe lá.
Ele até dorme mais, mas se eu estiver ali do lado deitada com ele. Mas eu não sou madame e a casa pede socorro!
Porque tudo triplicou: bagunça, louça, roupas, limpeza da casa. 
Tem horas que eu fico louca e estressada porque eu não estou dando conta. Porque é cansaço demais, é poucas horas de sono e tenho que ficar ligadona o dia todo. 
Ai vem a questão Pedro que entrou numa fase que me estressa ainda mais. Não obedece, faz birra, quer atenção 200%, demora um século para fazer o que eu pedi, finge que não escuta quando eu o chamo.
Minha vontade é simplesmente: sentar e chorar!
Então, meninas, a minha carreira no blog se encerra por aqui. A vontade de escrever não existe mais mesmo.
Já faz um tempo que quero registrar a fase dos meninos num caderno como se fosse diário. Até comprei um caderno, mas me faltou o tempo de começar.
Não vou dizer que esse desânimo vai ser pra sempre, porque essa fase de "tudo é pro Daniel" vai passar e eu estou até desanimada como a minha vida tem sido. O eu "indivíduo único" não existe e se sente sufocado com tanta responsabilidade. Não tenho tempo pra mais nada, ser dona de casa me consome muito.
É uma pena eu não ter tempo de vir aqui porque são tantas coisas que aconteceram e mostrar o desenvolvimento do Daniel é algo tão importante para mim para poder relembrar depois...

Não estou dizendo que vai ser pra sempre, mas também não sei dizer quanto tempo esse intervalo vai durar.

Quem quiser manter contato comigo, é só me procurar no Instagram por @gi_girassol porque nem o facebook eu tenho usado.


Beijos

26 de março de 2016

Maternidade: Amor e Culpa

Oi meninas,
Viram que Barra é ser esposa e mãe? A gente acaba ficando meio desequilibrada mentalmente. hahahaha
Mas eu falei simplesmente a verdade. Eu tenho dois meninos e prometo pra vocês que não vou criar um machista. Essa cultura que só mulher tem que fazer serviço doméstico não vai rolar aqui em casa. Quando o Pedro completar 4 anos, vou começar a dar alguma responsabilidade para ele.
Bem, mas hoje (meia noite e eu tenho tanta coisa para fazer mais tarde e eu só na reflexão...) meus neurônios não estão me deixando dormir.
A culpa não está me deixando dormir.
Mas por quê?
Esses últimos dias tenho pensado em que tipo de mãe eu fui para o Pedro.
Porque o primeiro filho é a "cobaia", vocês entendem o porquê, não é?
E pensando bastante eu me senti uma péssima mãe.
Não, nunca faltou amor. Mas olhando tudo o que eu fiz e deixei de fazer pelo Pedro me deixa uma culpa e uma delas é a parte da amamentação.
E eu fico pensando:
Por que eu não insisti?
Por que eu tive pressa?
Por que eu não resisti ao complemento e à mamadeira?
Por quê? Por quê?
Como vocês sabem, eu mesma me proibi de comprar mamadeira para o Daniel. Coloquei na minha cabeça que eu o alimentaria única e exclusivamente com o leite materno.
Eu não teria pressa, eu confiaria no meu corpo.
Lembro que assim que tivemos alta, o Pedro mamava no seio e a orientação (errada) que eu tive é que ele deveria passar meia hora em cada seio. Porque isso era a garantia de que ele tinha mamado o suficiente.
Puro engano e falta de informação e orientação.
E eu toda vez que colocava o Pedro no seio, eu ficava olhando no relógio. Não fiz daquele ato, o mais prazeroso. Eu o fazia com pressa, eu ficava louca querendo que a hora passasse rápido porque para mim era chato amamentar.
Na primeira semana amamentando, meus seios ficaram em carne viva. Toda vez que ele colocava a boca no meio seio, ele ardia.
Eu ainda estava na casa da sogra, eu fui falar com a minha sogra e cunhada e em vez de ouvir um incentivo de que aquilo ia passar e que eu era capaz de amamentar, foi-me empurrado logo uma lata de Nan.
Eu, como um cordeirinho, achei que aquilo seria melhor para o meu Pedro do que o meu próprio leite.
E mais uma vez, a falta de informação venceu.
Consulta do Pediatra e o Pedro mamando no peito não conseguia engordar. Mea-culpa!
Olha ai no que deu toda a pressa!
Tomei remédio para aumentar a produção de leite. E o Pedro só chorava! Dormia 5 minutos e acordava chorando. Era fome e eu não sabia. Meu filho estava passando fome! Eu realmente não tinha muito leite, mas também não tinha a orientação certa de aumentar a produção sem ter que recorrer a remédios.
Passamos dois meses insistindo só no leite materno, mas o Pedro não engordava.
Ai eu, por conta própria, comecei a dar o leite artificial e tivemos paz. Pedro passou a engordar e a dormir muito melhor.
A falta de sono dele não estava deixando-o crescer.
Se eu tivesse tido paciência, tivesse bebido bastante água e não tivesse tido pressa, nós teríamos tido sucesso.
Eu não deixei de amamentar, mas não tinha exclusividade e o Pedro mamou no peito até 1 ano de idade.
Eu amamentava e completava com a mamadeira.
E eu não tive somente pressa na amamentação, eu tive pressa pra ele sentar, engatinhar, andar, se tornar mais independente.
Um pecado!
Deixei de aproveitar fases importantes do Pedro e dessa vez eu estou aproveitando bastante com o Daniel e procuro aproveitar a fase que o Pedro tem passado no momento (menos as birras).
Hoje teve atividade da Páscoa na Igreja e eu o levei. Quando eu fui buscá-lo, ele parou na porta da igreja e falou: mamãe, você me espera aqui bem quietinha ta? Já volto!
Ele foi buscar a lembrancinha da atividade e eu fiquei só observando o quanto ele cresceu. E como eu fico orgulhosa de ver o quanto ele está independente e se vira super bem sem mim.
Esse ano ele fará quatro anos! Quatro anos de puro amor.
Ele é meu companheiro!
Ele me ouve!
Ele conversa comigo!
Ele é meu grude particular!
Ele diz que me ama toda noite antes de dormir!

Eu só sei que agora eu não tenho pressa de mais nada. Aproveito cada sorriso, cada choro, cada birra, cada palavra... cada fase, pois eu sei que esses momentos nunca mais voltarão! E eu só vou viver isso com eles uma vez na vida e eu vou guardar tudo isso no meu coração.
Se eu estivesse menstruando, eu colocaria a culpa desse post meio sem nexo na TPM, mas como não, eu só vou dizer que quando viramos mães, ficamos meio "malucas" hahahaha

Meus dois amores e eu (com cara de cansada)
Daniel com dois meses e Pedro com 3 anos e 9 meses
E a bagunça lá atrás hahahaha

A história de Pedro e Mamãe

A história de Pedro e Mamãe