29 de agosto de 2013

Para o Final de Semana: 30 curiosidades sobre mim

Esses dias eu estava pensando nesse mundo virtual dos blogs que eu queria que muitas vezes se tornasse real. Conhecer as pessoas que eu sempre visito virtualmente seria um show.
Queria também ser vizinha de algumas sabe? Tomar chá no final da tarde, ir no parquinho com os filhos para "fofocar", almoçar juntas. Sei lá, meio chiclete sabe? Mas na medida certa.
Eu não fiquei muito fácil de fazer amizades depois que casei. Acho que é a vida corrida com trabalho, casa, marido, filhos, cachorro e faculdade. Sobra tempo não.
Mas eu sinto falta de alguma amiga perto para desabafar, compartilhas alegrias, sonhos. Porque marido não tem paciência de escutar não. E se a TV estiver ligada então, ele que não escuta mesmo. Tenho concorrência dentro de casa!
Eu me sinto muitas vezes sozinha. Falo sempre com a minha irmã pelo telefone, mas não é a mesma coisa.
Mas vamos deixar de balela e vamos ao que interessa. Ah! Eu sempre esqueço de "falar", mas eu quero agradecer a cada uma de vocês que me alegram com um comentário. É bom saber que tem alguém do outro lado que me "escuta".
Hoje tivemos consulta da pedi do Pedro, mas ela não foi por estar doente. Próxima consulta só dia 11/09 quando o Pedro estará completando os 15 meses. Lindoooooo da minha vida!

Mas vamos ver algumas coisas sobre mim. Eu particularmente não sou muito normal!

  1. Eu sempre sento do lado direito do ônibus. Já me policiei para sentar do outro lado, mas quando eu me dou conta, estou eu lá do lado direito
  2. Já pintei os pêlos das pernas e do braço com água oxigenada - fiquei parecendo o diabo loiro (eu tinha 12 anos)
  3. Nunca pintei o cabelo, morro de vontade, mas não tenho coragem
  4. Se eu deixar as minhas sobrancelhas crescerem, parece que colei duas aranhas na testa
  5. Tenho bigode #detesto
  6. Tenho dois sinais de nascença - o Pedro nasceu com um parecido com o meu.
  7. Quando terminei a oitava série, queria fazer magistério, mas a minha mãe não deixou.
  8. Até os dezoito anos, eu só tinha o nome do meu pai no meu registro. O campo "mãe" tinha xxxxxxxx. Sou filha de chocadeira! hehehe
  9. Eu sou muito fácil de emagrecer. Se deixar, eu viro só o esqueleto andando.
  10. Ando com um rolo de papel higiênico na bolsa 24 horas por dia, 365 dias do ano. #pareceBanheiro
  11. A minha bolsa cabe 152762 itens e fica tudo jogado lá dentro. Tento arrumar, mas a bagunça reina
  12. Eu sempre vivo atrasada.
  13. Sou perfeccionista ao extremo. Começo lavando só um copo para beber água e quando vejo eu estou fazendo faxina na casa.
  14. Eu tenho alergia a esmalte. Quase nunca pinto as unhas por causa disso.
  15. Tenho o cabelo enrolado e armado. Se eu não domar o bichinho com produtos, o ibama pode bater lá em casa pensando que soltaram um leão na sociedade.
  16. Tenho asma há quase 1 ano
  17. Antes do Pedro aparecer na nossa vida eu tinha um sono terrível, dormia mais do que a cama.
  18. Os remédios de alergia em vez de me dar sono me dão insônia.
  19. Eu sou sagitariana e bem independente.
  20. Tenho "quase" 26 anos, mas a minha mente parou nos 18.
  21. Sou pequena e tipo mignon e muitas vezes o povo pensa que tenho 18 anos. #Aonde???
  22. Tenho um humor mórbido. Dia desses estava vindo pro trabalho sem maquiagem e bem simples. Um cara com óculos fundo de garrafa me chamou de linda. #Oi? Tá precisando aumentar o grau do óculos.
  23. Calço 34/35.
  24. Eu lembro de ter experimentado cerveja aos 12 anos, para nunca mais. Uma vizinha que me deu. Mas ainda bem que desse vício eu estou fora. Não bebo e não fumo.
  25. Não gosto de carne. Como, mas me contento com pouco.
  26. Eu nunca estudei para as provas da escola e nem da faculdade
  27. Não sei mentir. Juro!!! Começo a rir de nervoso. Passar trote? Sou um fiasco...
  28. Já sofri por amizade de ficar no fundo do poço. Hoje eu vejo que não valeu a pena sofrer tanto.
  29. Sou muito azarada. Pense numa pessoa horas com sorte, horas com azar. Sempre ao extremo. Mas o azar reina.
  30. Fico transpirando TPM perto da monstra, mas não sofro nada com o período, nem cólica, nem nada.
Difícil falar da gente. Mas está ai, e vocês? Tem "segredos" ou particularidades que gostariam de compartilhar?
E para não perder o costume, foto do Pedro com os seus 14 meses de pura gostosura!

Pedro e Scooby - Meus dois ciumentinhos!

26 de agosto de 2013

Vida Virtual

    Esses dias eu estava conversando com uma amiga pelo telefone e ela veio me falar que uma outra pessoa "colega" perguntou para ela se eu ainda estava casada. Ela falou que sim e perguntou "porquê". A pessoa super discreta falou que eu nunca colocava fotos do meu marido. Nem de nós dois reunidos. E só colocava fotos minhas e do Pedro.
    Mentira dela porque nem foto minha eu coloco. Desde que engravidei do Pedro, acho que fiquei feia sabe? A gravidez não foi generosa comigo. Depois que o Pedro nasceu nada é como antes. Meu cabelo mudou, meu corpo mudou, minha pele mudou e a minha mente mudou.
    Eu não sinto mais necessidade de ficar jogando fotos lá. Para quê tanta exposição?
    Depois que o Pedro nasceu, eu comecei a ter outras prioridades.

    Ai que eu fiquei "chateada" com esse mundo cibernético e senti vontade de deletar tudo, mas me segurei e coloquei essa foto:

    Será que ficou muito na cara?

    Sabe, eu cansei de ficar dando satisfação da minha vida para as pessoas. Essa pessoa nem sequer fala comigo, tá fazendo somente número na minha listinha de amigos. Nunca me deu um bom dia.
    E esse mundo que o pessoa mascara os sentimentos e sempre tudo tá bem, sempre tá feliz. Parece até que a vida é perfeita. Vamos ser positivas, mas sempre não dá. Há dias que a gente acorda querendo chutar o pau da barraca (acordei assim hoje!) do nada. TPM chegando dá nisso!
    Essa minha "colega" solta fotos até do que tá comendo! #pobrenofacebook
    Outra coisa também que eu não gosto é das pessoas se sentirem no direito de te cobrar as coisas pelo Facebook. Faz duas semanas que eu não vou à Igreja (conto mesmo que eu não sou perfeita) e eu faço parte de uma organização. Não fui. Não me senti à vontade, não senti o Espírito, pronto não fui!
    Ai no outro dia já veio a mensagem: "Gi, aconteceu alguma coisa? Tá tudo bem?"
    (Esse tal do Facebook é pior do que a mãe da gente quando pegava no pé, sabe?)
    Essa pessoa sabe aonde eu moro, sabe meu telefone e porque horas tu vem me mandar uma mensagem no Facebook? Não gostei! Acho tão impessoal, tão frio, tão clichê!
    Não digo pelas pessoas que moram longe, ai tudo bem. Mas as que moram quase do lado? Me poupe e me economize! E o pior, cobrando as coisas!
    E só manda mensagem para mim quando eu não vou à Igreja. #Cobrança

    #EstouNaTPM

    Eu quase nem entro mais lá. Não sinto vontade, me desintoxiquei, me desvirtuei! Quero saber da minha vida real, de cara a cara. E se chorei e não fui feliz, o facebook não precisa saber e se eu for feliz que eu também nem comente porque a inveja tem FACEBOOK!
     

22 de agosto de 2013

Pulando a Cerca! Ops! O berço

O Pedro está de um jeito que ninguém segura mais. Uma prova disso foi ontem!
Fomos no supermercado e ele não queria mais ficar dentro do carrinho de compras. Ele queria andar, explorar tudo e sair quebrando todas as mercadorias
E enquanto passávamos no caixa, enquanto eu estava embalando as compras, eu o soltei. E logo tive que largar tudo porque meu filho estava correndo em direção à saída em direção ao estacionamento. E tudo para eles é brincadeira. O danado dava gargalhadas e corria!
11 Meses - no carrinho do supermercado
No carro, ele não quer ficar mais amarrado preso na cadeirinha. Deu até um jeito de livrar os braços do cinto peitoral, mas ai apertamos mais o cinto. Ele quer ir sentado no banco igual a gente grande ou ele fica fuçando tudo dentro do carro, porta-moedas, porta-luvas. Ele já foi parar até dentro do porta-malas. Ele é um explorador! E adora ir no colo do papai "dirigindo".
Abre aspas
Fica claro que não andamos com ele no nosso colo ou solto dentro do carro. A gente tem que dirigir por nós e pelos outros e a vida do meu filho é mais do que preciosa para nós. A segurança dele sempre em primeiro lugar.
Fecha aspas
5 Meses e já adorava um volante!
Sobe em tudo. Parece um macaquinho. Quando falamos que é hora do papá (comer) ele larga tudo e vai para a mesa, colocamos ele no cadeirão, e ele já sabe que é para levantar os braços para colocar o suporte para o pratinho e o copo. Eu ainda não me aventuro em deixá-lo comer sozinho sempre porque ele faz guerra de comida. Mas ele sempre mostra interesse em pegar a colher e comer sozinho. E suco ele bebe igual a água. E eu comprei um copinho especial que não vaza e que não desmonta quando cai no chão.

Mas hoje eu vim falar de algo que está assustando me deixando alerta e de cabelo em pé. O danado está tentando fugir do berço.
A primeira vez que ele tentou essa gracinha foi assim:

Faltava pouco tempo para ele completar 1 ano e 1 mês. E eu jurava só na minha mente mesmo que ele não conseguiria pular o berço tão cedo. Pois essa semana, há uns três dias atrás, ele acordou pela manhã, ficou em pé no berço e ficou chamando para que tirássemos ele do berço. E a gente nem tchum pra ele. Quando vimos, o menino estava com uma perna em cima da grade do berço. Mas mesmo assim, nós relutamos em baixar mais um pouco o berço.
Mas aconteceu novamente ontem e foi mais além do que esperávamos.
Ele não queria dormir, mas como sempre o deixamos no berço com um carrinho. Ficamos por perto ainda bem porque ele começou a chorar porque queria sair do berço. E eu nem tchum para ele, pois já estava acostumada. Tirei o olho dele um segundo, quando eu olhei de novo, o menino estava agarrado na grade já do lado de fora do berço. kkkkkkkkkkkkkkk (deu nem tempo de tirar foto. E dá tempo?)
Agora eu estou rindo da situação, mas na hora eu fiquei paralisada, sem reação. Sorte que o marido estava perto e correu e tirou o menino de lá.
Esse meu macaquinho tá um caso sério! Ontem mesmo, nós baixamos o colchão até o último parafuso do berço. Ele ainda tentou pular, mas não consegue alcançar. Ele fica só com a cabeça pra fora do berço.
E pensar que até ontem ele era pequetucho. Ele tá crescendo tão rápido, fico olhando as fotos dele e o tempo passou, mas parece que foi ontem que ele nasceu e já estou com saudades do meu bebezinho!
Mas agora tenho que ficar de olho em qualquer plano mirabolante e friamente calculado dele de fugir do berço de novo! Algo me diz que ele não vai aceitar tudo isso sem fazer algo!
#mãeDesconfiada!

Cara de Inocente! Mas ele já estava planejando a fuga...





16 de agosto de 2013

Nossas decisões definem o nosso destino


Desde criança eu decidi que teria um casamento diferente dos meus pais. Meu pai é daqueles que "dá o bote e esconde as unhas". É mais falso que nota de 3 reais! Sim, ele continua sendo meu pai, mas tem coisas que não consigo aceitar e não aceito. Graças que, hoje, meus pais estão separados.
Eu consegui cumprir o que tinha me prometido. E eu consegui. Tenho alguém que me respeita, que é um pai presente, que dá suporte no que ele pode, que me ajuda quando eu preciso e até quando eu não preciso. Bem diferente daquele retrato que eu vivi na infância.
Por que eu estou falando isso? Porque as nossas decisões definem o nosso destino.
Todo domingo vamos à igreja - Eu, Pedrinho e o papai. Lá encontramos sempre a Bruna (nome fictício). A Bruna é adolescente e já é mãe e atualmente vive amasiada com o João (fictício também e nem sei o nome dele). Bruna sempre foi uma adolescente problemática, vivia em bailes e com um e com outro. Para se ter uma ideia, ela nem sabe ao certo quem é o pai do bebê dela. E ela acha que é sicrano, que não paga pensão e exige pelo exame de DNA. Visualizou a cena?
Eu confesso que sempre tive dó do filho dela, que é 15 dias mais velho que o Pedro. Ela sempre o larga com um e com outro quando chega na Igreja. [se eu pudesse, eu pegava ele pra mim :)]
Mesmo sendo mãe tão jovem, ela ainda não amadureceu e dá pra ver que não cuida bem do filho.
Lembro de quando o Pedro nasceu e encontra-la sempre no fraldário da Igreja dando de mamar ao bebê dela e eu ficava com aquela inveja branca por ela ter bastante leite. Parecia que o leite dela não tinha fim, mas ela não tinha prazer em amamentar ao bebê e só dava cinco minutinhos e dizia que o bebê não queria mais. ELA QUE NÃO QUERIA DAR MAIS! (absurdo!!!)
O bebê dela vivia comendo a chupeta de fome!
Com mais ou menos 4 meses de vida do bebê dela, ela deixou de dar de mamar dizendo que o leite dela tinha secado, mas todas nós sabíamos que era mentira dela. E mesmo só mamando, ela sempre largou o filho com os outros e quando dava a hora de mamar, as pessoas ficavam desesperadas porque ela não aparecia e era preciso chamar umas 10 vezes até ela aparecer para amamentar o filho.
Vocês também sentem dó dessa criança?
O menino sempre foi malcuidado. E eu me revolto muitas vezes porque existe mulheres boas querendo ser mãe e o Senhor manda filhos para pessoas assim? Bate revolta né pessoal?
Hoje, eu fiquei sabendo pela mãe dela que o companheiro bate nela. Ele é drogado e ninguém sabe (só ela mesmo) onde foi arranjar um traste desse. A mãe dela já tentou ajudar, deu um cômodo para ela morar e falou que tomava conta do filho dela para ela trabalhar. Ela até aceitou, mas ficou falando por trás que o "casamento" dela não estava dando certo porque a mãe estava se intrometendo. Ela acabou voltando pro infeliz e a mãe dela disse que nunca mais se intrometeria. A mãe dela também arranjou faxinas para a Bruna fazer, mas foi somente uma vez e nunca mais voltou.
Acho que ela gosta de apanhar!
Mas eu fico preocupada com o psicológico dessa criança vendo a mãe passar por tudo isso. Ela está passando por tudo isso porque quer. Opção de cair fora, ela teve!
Fico triste em ver que algumas pessoas precisam apanhar muito da vida para tomarem o rumo certo. E muitas vezes nem chegam ao rumo certo.
A decisão que eu tomei ainda criança me trouxe aonde estou hoje. Casada com alguém muito diferente do meu pai. Pinto ele de mau muitas vezes por aqui, mas ele tem um lado que me orgulha de dizer que sou casada com ele. Nunca levantou a mão para mim em quase 5 anos de casados. Semana passada, ele que limpou a casa, fez comida e lavou as roupas. Fez do jeito dele, mas fez. Nunca negou nada para mim. Doa o sangue pelo nosso casamento.
Quando eu tinha 17 anos, eu também decidi que casaria com alguém da mesma fé que eu. Essa eu também cumpri e hoje temos um casamento alicerçado dentro do evangelho de Jesus Cristo. Não somos perfeitos e temos muito o que melhorar, mas já demos um passo inicial.
Posso dizer que ele vai pro céu somente por me aturar!
Domingo passado, eu percebi que a Bruna estava abatida. Falei para ela que devíamos sentar em família. Ela respondeu: "Que família?"
Vi que as coisas não estavam bem, falei que o filho dela era a família dela e que ela precisava ser forte por ele. Ela sumiu ao ouvir isso. O companheiro dela levantou do banco e foi embora. Ao irmos embora, a vimos empurrando o carrinho de bebê em direção ao ponto de ônibus.
Eu sei que não devo me importar tanto, mas estou "sofrendo" mais por essa criança. Eu voltei a trabalhar para poder dar o melhor para o Pedro e se um dia meu casamento não der certo, vou arregaçar as mangas e vou à luta pelo meu filho.
Por que é tão difícil as pessoas entenderem esse dever delas? Porque tem que ficar esperando o governo, o companheiro, a família cuidarem do filho? É dever dos pais da criança.
Agora ficam encostados nos outros, querem sair pras baladas, encher a cara e ficar com um e com outro. Isso eu não concordo. Vai estudar, vai cuidar do filho, vai trabalhar porque nada cai do céu.
Umas 3 semanas atrás, quando voltava do meu horário de almoço, encontrei duas crianças pedindo alimento de porta em porta. Cadê os pais dessas crianças?
Falei pra pediatra do meu filho que eu não concordo com os programas do governo. Porque pode até sustentar as famílias, mas incentivam a falta de controle de natalidade. No meu antigo emprego, vi pessoas pagando o conserto do carro com o cartão do bolsa família. Que programa é esse? Que futuro teremos?
Igual a Bruna, existem muitas brunas apanhando da vida. E eu sinto mais pelas proles que elas deixam ao léu. A essas pessoas não deveria ser dado o direito de gerar uma vida.
Fico revoltada mesmo.
O destino da Bruna só ela poderá mudar. Eu não pretendo me meter. Ainda bem que a mãe dela não hesitaria em pegar o filho da Bruna pra cuidar.
E que o Senhor proteja essa criança da maldade desse traste, desse despacho!

13 de agosto de 2013

13 e 14 Meses do Pedrinho

Gente páraaa tudo! O tempo tá voando e esse menino só cresce! Só estica, fica mais independente e me mata de amor.
Parece que foi ontem que ele era piquininho! Hoje tá esse rapazinho que não gosta de dar a mão para um simples passeio com a coroa dele.
Parece que foi ontem que ele nasceu e eu fiquei com medo de levar ele pra casa. Medo de não ser boa mãe. Medo de não ser capaz, medo de não me apaixonar, de não me tornar a pessoa que sou hoje.
Medo.... Medo.... Medo....
Hoje eu percebo que o meu medo era besteira. Me apaixonei. Virei mãe-leoa, babona e coruja. Me tornei mãe, me tornei melhor, me vejo inteira, completa.
E tudo isso dentro de pouco tempo. Já se passaram 1 ano e dois meses desde que ele chegou. E são tantas descobertas. Tantas conquistas. Tantos sorrisos e gargalhadas. E só de lembrar do sorriso dele, já torna o meu dia lindo mesmo que o dia esteja nublado.
Filho é assim né? O nosso dia pode ter sido o pior da semana, do ano, o pior de todos, mas quando lembramos de que temos a joia mais preciosa do mundo nos esperando em casa, tudo muda.
Eu tenho estado muito cansada com trabalho e mais a faculdade à noite. Quando eu chego em casa, ele já está dormindo. Então só o verei acordado no dia seguinte, ai eu abraço, eu beijo, eu aperto, eu mordo e morro de amor.
Esse mês fomos à consulta mensal do pediatra. Mas não houve pediatra, foi só pesagem e para medir.
Vou falar da consulta do mês passado que não falei ainda.
Mês passado, o Pedrinho estava com 78 cm e com 10,840kg. Como eu tinha faltado à consulta mensal no mês que ele completou 1 ano, fomos direto com a pediatra.
Um amor ela! Pena que vai se aposentar logo.
Ela pediu exame de urina, fezes e sangue. Falou que ele estava super bem à olhos-nu e que parecia uma criança saudável e que os exames seria só de rotina.
Fiquei logo pensando em como eu colheria a urina.
Será que eu teria que vigiar o Pedrinho para pegar a urina no pulo? Será que eu teria que espremer a fralda? Cada pensamento que eu tive!
#mãeDePrimeiraViagemSofre!
Só que não! Eles tem um coletor universal de urina. Fácil, prático e rápido - nem tanto!
Nesse tópico AQUI explica direitinho como fazer e lá tem fotos do coletor.
Parece simples, mas não é. Eu colhi o cocô no dia anterior ao exame (pode passar até 24 horas na geladeira), pois eu estava com medo do menino travar e não fazer mais. Ai na primeira oportunidade, eu fui lá e colhi. Tão simples como colher laranja! hahahaha
No dia do exame, eu precisava estar no posto às 7 da manhã, eu tive que acordar as 4 horas da matina porque teria que ser a primeira urina do dia. Tempo perdido, pois como eu não sabia usar o coletor direito, vazou tudo e nada parou no saquinho.
Fomos assim mesmo, tentamos mais uma vez coletar a urina no posto, mas quando fomos colocar o coletor, ele tinha acabado de encher a fralda de xixi.
E o que a mãe faz numa hora dessas? Chora? Esperneia? Espreme a fralda?
Não foi naquele dia. Restou somente colher o sangue! Que difícil! Que sofrível para meu coração! Recomendo não. Dói na gente, dói neles! Quero nem lembrar.
Tive que levar a urina outro dia. Mas ai me ensinaram a usar o coletor.
Dica: Logo após colocar o coletor, enche o bucho da criatura de líquido. Eu acordei as 4 da matina de novo, vi que a fralda ainda estava seca, ai eu coloquei o coletor e dei mamadeira. Cinco minutinhos depois, veio o prêmio esperado!
Ainda não vimos o resultado. Está comigo em casa, mas só teremos retorno com a pediatra somente no final do mês. Tomara que esteja tudo certinho!
Esse mês, tivemos pesagem. O rapazinho está com 11,05kg e 80,5cm. Sapeca, não parava um segundo para medir e nem pesar. Não tivemos muita novidade nessa consulta porque passamos somente com a enfermeira. E ela fez um monte de perguntas, tipo:
Ela: Ele já fala?
Eu: Sim
Ela: Quantas palavras
Eu: umas dez. Eu acho ele meio preguiçoso.
Ela: Certo. Ele já anda? Desculpa, eu vi ele andando. Desde quando ele anda?
Eu: Faltava 3 dias para os dez meses.
E ela anotando...
Ela: Ele come legumes, frutas, verduras?
Eu: de tudo.
 
Nem lembro mais de tudo, mas foram várias perguntas. Acho que é para avaliar o desenvolvimento. Eu estava meio preocupada sobre o Pedro não evoluir na fala. Mas eu acho que foi por falta de convívio com outras crianças. Desde que voltei a trabalhar, ele teve contato com várias crianças e começo a "falar" mais. Chama paiiiii, maiêeeee, Biiiii (scooby), dáaaaa, bebê  e outras coisas. Na verdade, nós interpretamos o que ele diz. E fala um monte de afapafpapapaia (sei lá o que é e nem sei escrever), mas o interessante é que ele fala olhando nos nossos olhos como se fosse algo sério.
Ele tem apresentado uma mente bem estratégica. Tem planos mirabolantes para subir nas coisas.
Desconfio que ele nasceu com o DNA modificado igual ao do Homem-Aranha porque o moleque sobe em tudo.
Ontem mesmo, o pegamos em pé em cima do velocípede/velotrol/triciclo porque ele queria pegar algo num lugar que ele não alcançava. Cheguei a tempo de evitar uma bela queda.
Ele sobe em cadeiras sem apoio nenhum e se estica para pegar objetos em cima da mesa, da pia. Já falei que já o peguei tentando pular o berço? Final do ano quero coloca-lo em uma caminha. Vamos ver como o meu Homem-Aranha procede até final do ano.
Adora comer repolho!!!! Fica bravo quando demoramos a dar a salada de repolho para ele.
Adora também comer uva.
Enquanto ele não ver o fim das bananas, ele não sossega. Falo pro meu marido que qualquer dia vou encontrar um macaco no berço, em vez de uma criança! hahahahaha

Consulta dos dois Meses

O quinto dente já nasceu e agora está vindo o sexto dente. Nada de febre, só diarreia. Mas veio bem mais leve. Ele agora tem 4 dentinhos embaixo e 2 em cima.
Quando quer alguma coisa, aponta com o dedinho. Aponta pra mamadeira, aponta para a água, aponta pra tudo.
Agora que dá tchau quando pedimos. Ele não fazia antes por preguiça. E quando fazemos não com o dedo, ele nos imita e mexe o dedo indicador pro lado e pro outro.
Adora beijar...... na boca gente!!!! Quem ensina essas coisas pra esse menino? E só quer beijar as novinhas. Ainda segura o rosto das paqueras para elas não fugirem. E quando oferecem o rosto, ele sai procurando a boca. Que é que eu faço com essa criaturinha? Preparo já o casamento?
Adora carro, fica lá no volante fingindo que tá dirigindo. E não pode ver uma chave que gruda nela e não há quem a tire.
Desde que ele nasceu já compramos mais de 10 chupetas! Elas vivem sumindo. E como ele largou de vez o peito mesmo, agora a chupeta é a companheira fiel dele. Atualmente estamos com 3 em casa.
Ele tem uma alergia medonha de pernilongo. Eu tive quando criança e marido também. Acho que o Pedrinho herdou (só herda prejuízo). Aonde ele fica durante o dia tem um riacho e muito mato e muito pernilongo. Ele ficou tão mordido que quando cheguei em casa e vi, pensei logo em catapora. Mas felizmente foi somente pernilongo. Comprei repelente e está tudo resolvido.
Por enquanto é só disso que me recordo. A vida tá corrida e eu nem tenho dormido, tenho entrado em coma de tão cansada que estou!


Dormindo com a outra (chupeta)
Não dá um sorriso para as fotos.
Justo eu que adoro uma foto!!!
PS: Preciso cortar esse cabelo à lá anos 80.

 

3 de agosto de 2013

Filho Cigano

Voltar a trabalhar não foi tão fácil como eu pensei.
A creche ainda não ficou pronta e eu estou dependendo de outras pessoas para ficar com o Pedro. Ele passou duas semanas com uma pessoa e hoje eu tive que correr atrás de outra pessoa. Eu tenho um filho tá cigano!
Eu estou pegando no pé da prefeitura para apressar as obras da creche. Depende do governo é uma m*&¨%. Haja paciência!
Já está parecendo uma novela mexicana. Ontem eu liguei na Sec. da Educação para saber sobre o andamento das obras. A empreiteira entregou as obras, mas a Sec. de Obras e Infraestrutura Urbana não aprovou a obra e a empreiteira tá lá arrumando o que não satisfez a SEOBE.
Na última consulta do Pedro, eu estava conversando com a pediatra sobre a falta de compromisso da prefeitura com a população. Falei e repito que eu quero trabalhar e sustentar o meu filho com o suor do meu trabalho e não com o dinheiro de programas do governo. Se eu decidi ter um filho é minha OBRIGAÇÃO prover os meios de nutri-lo, vesti-lo...
Mas não posso fazer e nem consigo fazer tudo sozinha. Com relação a saúde e educação, eu vou ter que recorrer ao governo sim.
Mas sustentar o meu filho é minha OBRIGAÇÃO. Meu dever!
Ai vem a questão: Eu quero trabalhar, mas o governo tem que me apoiar nessa decisão. Eu não tenho ninguém por mim aqui. Minha mãe mora tão tão distante longe e sogra não é parente (caso a parte - muito decepcionada ainda. Depois eu conto o que aconteceu).
Tenho que voltar a ligar daqui a 20 dias mais ou menos para saber da creche. Enquanto isso, meu filho vai ser cigano. Ele vai passar um mês com essa outra família, depois disso nem sei mais.
Ontem, eu passei boa parte do dia ligando para creches para saber dos valore$ e tá muito caro. E era só meio período e eu teria que pagar alguém para ficar com o Pedro pela manhã. Cheguei em casa com uma baita dor de cabeça. Eu não consegui dormir direito de tanta preocupação e o marido também não.
Não posso deixar de trabalhar porque temos muitas contas e já não é uma opção e sim um dever. Não posso jogar tudo nas costas do meu marido e eu quero conquistar algumas coisas para mim também (Carta de motorista ai vou eu).
Meu marido dormiu ainda menos do que eu e chegou a conclusão que precisamos pedir socorro para a minha mãe e ela vir passar uns tempos aqui nos ajudando. Mas não sei se ela vai aceitar. Porquês a parte também!
A verdade é que nós estamos sozinhos nessa. É mais fácil contar com estranhos do que com a própria família.
E se nada der certo, o Pedrinho ainda vai passar por muitas famílias e continuar cigano!
Culpa? Culpa eu teria se não tivesse nada para comer dentro de casa e não tivesse meios de dar o melhor para ele. A vida segue e eu não vou ser menos mãe só porque eu voltei  a trabalhar.

A história de Pedro e Mamãe

A história de Pedro e Mamãe