23 de abril de 2014

A Maternidade no Mercado de Trabalho

Antes de começar, tenho uma novidade: ESTOU TRABALHANDO NOVAMENTE!!!
Viva ao Pocoyo! Ops! Viva a mim! Hehehehehe

Outra coisa, esse meu tema tá coincidindo com o tema da BC da Fernanda ( http://querouboumeucoracao.blogspot.com.br)
Que aliás, também começou a trabalhar. Parabéns Fer, estou mega feliz por você! Sucesso!
Vamos começar o post? Que eu estava escrevendo faz uns dias já!

-----------------------------------------

Hoje eu vou falar sobre o mercado de trabalho para nós, mamães.
E como é difícil, não é?
Quando sai do meu último emprego em janeiro, eu tomei uma decisão que levaria ao sucesso da minha vida familiar, ou não.
Cogitei até não trabalhar mais. Afinal, minha mãe iria embora (ela foi embora sábado passado) e teríamos um novo problema: quem iria ficar com o Pedro depois do horário da creche?
Situação mega difícil!
Mas ai vinha o meu lado profissional, como eu iria aguentar ficar em casa sendo Amélia? Eu, com certeza, iria enlouquecer!
Comecei a enviar currículos sem pressa. Deixei nas mãos do Senhor. Pois Ele sabe das necessidades da minha família.
Falei com marido dizendo que só aceitaria um emprego se o mesmo fosse vantajoso para nós. Não na questão financeira, mas sim na questão de tempo, qualidade e benefícios.
Perdi boa parte da vida do Pedro porque estava estudando e trabalhando. Não queria mais isso para ele e nem para mim.
Enfim, deixei o vento me levar para o melhor lugar.
A princípio eu queria tentar trabalhar em indústria, por ter horários mais flexíveis, porém tinha (tenho) medo de tentar algo novo e também não era da minha área.
Protelei em ir nas agências entregar meu currículo. E fui enviando o currículo pela internet.
Fui chamada aqui e ali para entrevistas, mas nada encaixava para o que eu queria para nós. Mas não cedi!
E continuei falando para marido ir segurando as pontas aqui em casa.
Até que um belo dia fui fazer uma entrevista. Cheguei 10 minutos atrasada do combinado! Fui logo sendo pessimista, mas ai lembrei que o Senhor estava no comando de tudo. Deixei ele fazer a parte Dele porque a minha eu estava fazendo.
Fui chamada para a entrevista e... Era tudo o que eu queria para nós! Horário super bom. Às 7 da noite já estou em casa curtindo o meu oncinha!
Não trabalho sábado, domingo nem feriados. Finalmente posso falar: hoje finalmente é SEXTA!!! (Quando chega a sexta, é claro)
O salário é bem menos do que o meu emprego anterior, mas o pouco com Deus é muito e não tenho dúvidas que a mão do Senhor está nessa conquista.
Fiz a entrevista numa quarta. Ele dariam a resposta no dia seguinte e nada aconteceu! Desanimei!
Mas ai na sexta recebo uma linda ligação para uma nova entrevista e lá fico sabendo que fui a escolhida e se eu aceitava o emprego.
E é claro que aceitei né minha gente?
Infelizmente nós, mamães, somos encaradas como pessoas incapazes de trabalhar por termos filhos pequenos. Sei que situações adversas como saúde do filho acontece e somos humanas, agimos com o coração, mas isso não significa que somos incapazes de exercer alguma função!
Sofremos pré-conceito e preconceito!
As empresas precisam entender também somos seres humanos com necessidades igual a qualquer outra pessoa. E temos a necessidade de termos uma vida social fora do convívio familiar e sem contar precisamos do dinheiro para dar uma qualidade de vida melhor aos pimpolhos!
Perdi muitas oportunidades por ser mãe, mas sabe o que eu aprendi? Eu não perdi nada pois o Senhor sempre prepara o melhor para nós.
Vai fazer duas semanas que comecei e logo de cara, tive que levar o Pedro na emergência, mas graças a colaboração do meu esposo e amigos estou conseguindo ir trabalhar. Porque família nessas horas é como poeira ao vento!
Mas é isso gente, mega feliz e otimista! Agora é só curtir o novo emprego e a minha família!
O Senhor capricha sempre!

Post sem fotos pois estou escrevendo do celular!
Beijos

11 de abril de 2014

1 ano e 10 meses

Passou voando! Quando eu lembro do Pedro Bebezinho e olho para ele hoje parece que não são a mesma pessoa! Ele mudou tanto. Falo isso na personalidade, porque ele ainda tem os mesmos traços de quando nasceu.
Eu não vejo ele mais como um bebê. Porque ele não é mais bebê e muitas vezes (muitas mesmo), eu me seguro para não corrigir a minha mãe quando ela chama o Pedro de bebê.
Não acho certo ela chamar ele de bebê porque eu percebi que ele regride, sabe?
A manha reina, o homenzinho que entende tudo, não entende mais nada. Fica uma coisa!
Mas enfim, vamos comparar o antes e o depois?




Não mudou quase nada, não é mesmo?

Eu sempre olho para trás e tenho a sensação que não houve bebê por aqui. Parece que o Pedro sempre esteve conosco. Parece que eu o conheço há anos em vez desses meros 22 meses!
E nós estamos adorando essa fase.
Como minha mãe disse: "O Pedro é o grude do papai e o chulé da mamãe!"
Ele é apaixonado por nós e nós apaixonados por ele. Totalmente! Completamente! Loucamente!
Até o infinito e além!
Eu não sei como passamos tanto tempo sem ele em nossa vida! Amo ser mãe do Pedro. Teria uns 10 Pedros fácil, fácil!
Ele está adorando ir para a creche! E por enquanto nada de doença comum de creche. É muito pensamento positivo da mamãe. É um mantra quase: "vai sair tudo bem e ele não vai ficar doente" e tem funcionado.
Mês passado ele nos deu um baita susto. Passou 5 dias com febre que não baixava de jeito nenhum. Era remédio em cima de remédio. Chegou a quase ter convulsão. Foi ai que tirei a roupa dele e deixei ele embaixo do chuveiro. Minha vontade era chorar junto, mas chorar não adianta e alguém tem que ser forte aqui, né?
Me sinto uma #mãedemerda nessas situações! Sinto que eu poderia ter evitado tanto sofrimento, mas criança é assim, não é mesmo?
Levei ele no médico, ficou medicado e tudo vai lindo e maravilhoso.
No próximo post falo mais sobre o que ele teve. E não foi nada que ele pegou na creche.
Dia 17 teremos mais uma consulta com a pediatra. Iremos mostrar o resultado dos exames que ele fez em fevereiro (um século depois... Bem-vindo ao SUS).
Perdemos a última consulta, mas era só para pesar e medir. A mãe aqui confundiu as datas.
Mas uns dias antes da consulta esquecida, fomos na farmácia e ele estava com seus lindos 12,200kg.
Mas quando levei na emergência ele já estava com 12,070kg mais ou menos. O meu bebê (ops! Ele não é mais bebê lembram?) tinha emagrecido!
Ele tá um falante! A creche ajudou bastante com essa parte. Está mais sociável e participativo.
E eu me apaixono com cada palavra nova, com cada novidade.
Às vezes me pego sorrindo (como agora) ao lembrar dos nossos momentos, meus lábios se enchem de sorrisos só de lembrar dele. Amar desse jeito é uma loucura tão gostosa!
Não sei como passei tanto tempo sem ouvir a palavra "mamãe"... É tão gostoso, tão compensador.
Parece que esse amor que sinto aqui dentro é infinito. Dá até para compartilhar com outros filhos! Mas isso também é assunto para outro post.
Bem, acho que por hoje é isso. Depois volto para falar do Pedro e a creche, tive a minha primeira reunião de pais! Fiquei toda feliz! Eu me senti realmente a mãe do Pedro!
O Terrible Two sempre esteve presente aqui desde muito cedo. O Pedro sempre foi uma criança de personalidade forte. O bichinho é "ruim". Orgulhoso e não cede de jeito nenhum. Vou ter problemas mais para a frente. Mas seguimos na conversa e exercitando a paciência.
Tenho idéias boas de posts novos. Lembram no último post? Pois meu pendrive pegou vírus e acabou passando pro meu notebook e agora ele não acessa mais internet. Então não liguem para a bagunça no post. Post do celular!
Ainda estou em busca do emprego perfeito. Mas também é assunto para outro post.
Beijos para todas que ainda passam por aqui!

4 de abril de 2014

A vida como ela é.....



Sem trabalho.
Contas chegando e eu aqui esperando o dinheiro cair do céu...
Marido pegou meu pen-drive emprestado para fazer algumas coisas e todos (TODOS!!!!!) os meus arquivos sumiram, inclusive os meus arquivos de estágio que estava quase completo.
Tenho vontade de chorar!
Vontade de xingar!
Vontade de sumir!

Alguém apaga a luz quando sair porque eu só quero acordar em 2015 quando essa raiva tiver passado! (Sim, eu não vou esquecer isso nem tão cedo, foi um descuido e ele sabia que os arquivos eram importantes para mim. E ele é culpado sim)


Aff! Parece que só acontece coisa ruim comigo! Banho de sal grosso urgenteeee!!!

A história de Pedro e Mamãe

A história de Pedro e Mamãe