27 de março de 2015

Vem que tem Post novo!!!

Meninas,
Eu sei que prometi voltar na segunda-feira da semana passada, mas tenho estado um pouco doente. Eu tenho rinite e sinusite e essas duas semanas eu fui premiada.
Essa segunda que passou, eu tive tanta dor de cabeça que parecia que tinha um prego entrando na minha cabeça. Maldita sinusite!
Pois bem, voltei com novidades... Sei que estou em falta com vocês e quero muito reverter isso, porque foi aqui que encontrei consolo e a boa palavra desde o começo da gravidez do Pedro.
Estamos passando por algumas mudanças dentro de casa (móveis) e eu tenho comprado coisas novas para a casinha. Comprei pela internet e o que era pra chegar quinta-feira da semana passada, chegou hoje! E paguei Sedex!
Sou pé frio mesmo! Estou precisando de uma surra de espada de São Jorge! hehehe
A caixa chegou hoje de manhã e ela tá lá fechadinha. Sabe porque? Porque vou fazer um vídeo do que eu comprei e vou abrir somente quando estiver fazendo o vídeo.
Olha que prova de "amor", porque eu estava ansiosa para a caixa chegar e eu tô louca para abrir... Mas vai ser surpresa para mim e para vocês. Eu sei o que tem dentro, mas vai ser "surpresa" por ser de um site que eu nunca comprei.
Só espero que maridão demore para chegar em casa hoje, assim eu faço o vídeo, mesmo eu estando descabelada! ;)
Olha ai o vídeo que eu fiz rapidinho da caixa.




Caixa Fechadinha

Em homenagem ao dia do circo (27 de Março), quarta-feira (acho que foi semana do circo na escolinha) Pedrinho foi todo pintado para casa em homenagem ao dia. Meu palhacinho lindo! Vivia me dizendo: Pára mamãe, não qué tirá foto!
E virava o rosto se escondendo. Eita castigo, adoro tirar foto e o moleque não! :(





Até logo!

Beijos Nossos!

13 de março de 2015

A mãe que eu (você) deve ser [História da Margareth]

Oi meninas,

Eu tenho justamente 1 hora para fazer esse post. Será que eu consigo? ;) [Não Consegui! Comecei esse post na terçaa-feira)
Eu vou contar uma coisa bem íntima minha aqui, mas que eu me arrependo muito. Muito mesmo!

Quando eu estava com uns 5 meses de gravidez, eu tive uma crise de histeria medo, depressão e naquela crise eu falei pro meu marido que eu não queria estar grávida, que eu queria a minha vida de volta e toma choro.
Pois é, a minha vida durante a gravidez não foi fácil e nem um mar de rosas. Não foi uma gravidez planejada (dou graças ao Senhor por isso, porque eu não teria coragem de engravidar) e junto com a gravidez veio muitas mudanças. Precisávamos de uma casa maior, pois morávamos em dois cômodos que mal cabia nós dois e com isso veio a reforma. E com a reforma tivemos que passar uma temporada com os pais do meu esposo. Foi uma época em que eu me senti muito sozinha. Eu trabalhava de dia e à noite eu ia religiosamente para a faculdade. Eu encarava a faculdade como um escape da solidão porque meu marido trabalhava de dia e à noite ele ia mexer na obra da casinha.
Foi uma época muito difícil financeiramente falando. Estávamos comprometidos com muitas contas. Do meu salário não sobrava um real. Tudo em contas e na casinha.
Lembro que comprei o berço do Pedro no final de Abril e foi um parto para irem montá-lo. Ligava todo santo dia dizendo que meu filho ia nascer na semana seguinte.
Fiz drama!
Comprei o seu enxoval quando eu estava de 35/36 semanas. A situação tava preta! E fizemos tudo sozinhos, eu e marido.
Na época, minha sogra e cunhada tinham uma situação razoável financeiramente falando, mas eles nunca nos ajudaram e nem ajudam. Assunto para um próximo post. A única coisa que minha sogra deu para o Pedro foi um conjunto de body e mijão. Só isso! Agora para os outros dois netos... Entenderam né?
São águas passadas, mas que me afetaram muito. Foi muita provação, mas eu venci.
Bem, já estou falando nada com nada.
Como o título diz, eu quero falar da "mãe que eu devo ser".
Vamos aos casos de hoje (parece até programa de auditório hehehe) 
Obs: Todos os nomes são fictícios, mas infelizmente as histórias são verdadeiras.

A Margareth tem dois filhos e atualmente está separada. Ela tem uma forma de educar os filhos bem estranha. Ela é bem rígida. Percebo que falta amor em seu relacionamento com os filhos. 
Um dia, estávamos na casa de sua mãe para almoçar. O almoço estava pronto e eu falei que ia chamar o Pedro. Quando ela escutou, foi logo me falando:
_ Como assim chamar o Pedro? Na minha educação e na educação que passo pros meus filhos, as crianças comem depois dos adultos. Criança tem que entender que elas não são como nós e blá blá blá...
Imaginam a minha cara né? Tô imaginando até a de vocês! hehehe

Mas é claro que eu também falei a minha opinião e não deixei barato não. Se a pessoa quer tratar os filhos como cachorro, não é problema meu, mas me corta o coração ver esse tipo de atitude. E não pára por ai não.
Além de não tratar com amor os filhos, essa criatura ainda obriga os filhos a comerem tudo, mesmo quando as crianças visivelmente não querem.
Um dia eu escutei:
_ Bebe o leite André!
.... (cinco minutos depois)...
_ Bebe o leite agora! Vai! Bebe tudo! Se você não beber, eu vou buscar o chinelo! 

A pessoa não demonstra sinais de afeto com os filhos sabe? É tudo na base da ameaça. Isso tá afetando as crianças de tal modo que elas estão ficando agressivas e mal-educadas.
Que educação é essa?
Além de faltar afeto, ainda falta a presença. Porque a pessoa ainda sai à noite nos finais de semana e deixa os filhos largados na casa dos outros. A irmã da criatura teve o cúmulo de sair para comemorar com amigos do trabalho e deixou a filha de sete anos presa dentro de casa.

Eu tenho uma forma bem diferente de educar o Pedro. Eu o respeito, eu crio com apego, muito beijo e abraço.

Esses dias eu não conseguia dormir porque me bateu uma tristeza imensa porque o Pedrinho estava crescendo muito rápido. Porque eu não tinha mais aquele bebê que eu amamentava, que eu carregava no colo porque agora os 13 quilos estão difíceis de carregar.
Quando o Pedro não quer comer, eu não faço drama porque eu cresci com minha mãe nos obrigando a comer tudo mesmo nós não querendo e não queríamos comer porque tínhamos abundância não. E não tínhamos escape de comer besteiras no lugar do almoço. Não queria comer porque minha mãe não gostava de cozinhar e nem se esforçava para fazer uma comida gostosa.

Bem, já deu a hora de buscar o Pedrinho na escola. Já estou com saudades dele! :)

Segunda eu libero a história da Jurema!

Beijão e bom final de semana!




A história de Pedro e Mamãe

A história de Pedro e Mamãe